vigilância e a inteligência tecnológica converteram-se em práticas empresariais fundamentais para competir num meio a cada vez mais digital, global e dinâmico como o atual, sobretudo para empresas tecnológicas, organizações intensivas em conhecimento e líderes de projetos de I&D.

Estes processos estratégicos de vigilância e inteligência, unidos à gestão avançada da informação e do conhecimento, ajudam as organizações a conhecer as últimas novidades da concorrência, monitorizar sistematicamente, antecipar mudanças e tomar decisões informadas, minimizando riscos e aproveitando oportunidades para a inovação.

Nesta guia prática de inteligência tecnológica pode encontrar os principais fundamentos conceptuais e práticos para a implementação de uma estratégia baseada na Vigilância e Inteligência Tecnológica:

Conceitos básicos de vigilânica e inteligência tecnológica

Não existe uma definição única para a vigilância tecnológica ou inteligência competitiva, mas sim múltiplos âmbitos de aplicação. Dependendo da dimensão de atuação, estas práticas empresariais vinculadas à gestão avançada da informação e conhecimento recebem muitas denominações. 

Além disso, a vigilância e inteligência estão relacionadas, mas são dois conceitos diferenciados. A vigilância põe o esforço na deteção e monitorização da informação estratégica para a organização, e a inteligência centra-se em compreender, interpretar e contextualizar essa informação para transformá-la em conhecimento útil para a organização. 

Os conceitos e noções mais comuns em vigilância e inteligência são:

  • Vigilância ativa ou pasiva
  • Vigilância e inteligência tecnológica
  • Inteligência competitiva
  • Inteligência económica
  • Inteligência estratégica
  • Previsão tecnológica
  • Prospectiva
  • Factores críticos de vigilância (FCV) ou Key Intelligence Topics (KIT)

No #MoocVT (comunidade virtual de aprendizagem sobre vigilância tecnológica) pode encontrar mais informação sobre estes conceitos básicos neste módulo.

Etapas fundamentais do ciclo de vigilânica e inteligência

Existe um consenso generalizado sobre as etapas que tem de seguir o processo de vigilância e inteligência tecnológica, denominado ciclo de inteligência. Em geral este ciclo pretende dar resposta a umas questões fundamentais: 

  • Qual é o objectivo que se quer conhecer?
  • O que é que se deve vigiar para isso?
  • Quem é que pode proporcionar esses dados?
  • Como se pode capturar, tratar e organizar essa informação e extrair o maior valor possível?
  • Que ferramentas se precisam para isso?
  • A quem comunicar os resultados e como?
  • Como medir os beneficios que este esforço implica na organização?

Para dar resposta a estas perguntas existem variadas propostas metodológicas que ajudam a implementar um processo de trabalho focalizado, cíclico, sistematizado e colaborativo

As etapas principais do ciclo de vigilância e inteligência são: 

Etapa 1: Diagnosticar e priorizar 

Reto: identificar, especificar e detalhar o assunto a vigiar.

Para tal se devem determinar as tecnologias a vigiar, as necessidades de informação e os Factores Críticos de Vigilância (FCV) ou Key Intelligence Topics (KIT) que nos ajudam a desenhar uma estratégia eficaz para cada caso. Estes constituem técnicas estratégicas para a formulação de prioridades e podem ser: 

  • KIT sobre decisões estratégicas: referidos a questões estratégicas das organizações, sobretudo relativas ao planejamento estratégico e implementação (ex. política de I&D, planos de negócio, decisões de investimento, internacionalização, etc.).
  • KIT sobre sinais de anticipação: capazes de identificar potenciais ameaças e oportunidades futuras para a organização (ex. tendências, novas tecnologias, mudanças legislativas, nichos de mercado, etc.)
  • KIT sobre actores fundamentais: relativos à monitorização dos actores do mercado (ex. competidores, clientes, fornecedores, sócios, reguladores, tomadores de decisões públicas, etc.)

No #MoocVT (comunidade virtual de aprendizagem em vigilância tecnológica), pode conhecer os princípos fundamentais para desenhar e implementar um sistema de vigilância e inteligência com este módulo.

Etapa 2: Pesquisa e captura de informação

Reto: desenhar e implementar a estratégia de compilação de informação.

Para tal se definem os objetivos da pesquisa da informação e se elabora a estratégia para precisar as necessidades, localizar a informação e capturar de uma maneira organizada. Isto implica tarefas como: identificação de palavras-chave, validação por especialistas, seleção de fontes de informação relevantes, formulação de equações de pesquisa e elaboração do corpus ou registos. 

Esta etapa requer combinar conhecimentos em monitorização de informação, capacidade de análise crítica e habilidades técnicas para o uso eficiente de ferramentas informáticas, bem como aprender e desenvolver concorrências digitais de apoio para gerir a infoxicação ou sobre-informação que surge com Internet. 

Entre os recursos úteis disponíveis online, OBSERVA oferece informação relevante sobre ciência, tecnologia e inovação produzida na regiao da Iberoamérica e organiza os resultados atendendo a fontes de informação estratégicas para a vigilância tecnológica, como são:

  • Ofertas e necessidades tecnológicas
  • Patentes e resultados de investigação
  • Feiras e congressos
  • Normativa, regulamentos e legislação
  • Convocações e ajudas financeiras
  • Projetos inovadores e boas práticas
  • Recursos abertos de aprendizagem, entre outros.

No #MoocVT (comunidade virtual de aprendizagem em vigilância tecnológica) pode melhorar a selecção de fontes de informação e ferramentas para a sua actividade profissional com este módulo

Etapa 3: Análise da informação

Reto: processar e analisar a informação para filtrar o relevante. 

Para isso, se combinam critérios de validação, técnicas analíticas de informação e ferramentas informáticas especializadas que ajudem a equipa a selecionar a informação relevante segundo os objetivos de pesquisa. 

Nesta fase, são de grande de ajuda ferramentas como: mapas tecnológicos, software de patentes, gestores bibliográficos, visualização de informação ou software integral de vigilância tecnológica. Por isso, no #MoocVT (comunidade virtual de aprendizagem em vigilância tecnológica) pode conhecer com detalhe tipos de ferramentas especializadas para realizar vigilância e inteligência estratégica neste módulo

Etapa 4: Valorização da informação relevante

Reto: elaborar produtos com os resultados obtidos.

Para isso, resulta fundamental analisar detenidamente a informação de valor obtida para a tomada de decisões e elaborar com os resultados produtos de vigilância e inteligência tecnológica efectivos.

São muitas as organizações que a cada vez mais publicam este tipo de relatórios especializados em aberto: 

  • Boletins tecnológicos ou Newsletters.
  • Relatórios de vigilância tecnológica. 
  • Relatórios de prospectiva. 
  • Estudos de mercado. 
  • Estudos de patentes. 
  • Relatórios especializados, etc. 

No #MoocVT (comunidade virtual de aprendizagem em vigilância tecnológica) pode conhecer as bases para a elaboração de produtos estratégicos em inteligência com este módulo

Etapa 5: Disseminação e comunicação

Retodisseminar os resultados às pessoas com responsabilidade de decisão na organização. 

Para tal se desenha uma estratégia de comunicação interna eficaz e distribuída para toda a organização, que satisfaça as necessidades de informação do pessoal e utilize os meios de comunicação mais generalizados para o seu funcionamento, tanto informais como formais. 

Cada vez é mais importante ser capaz de envolver todo o capital humano da organização no processo de vigilância e inteligência para que os resultados sejam realmente aproveitados na tomada de decisões organizacional. 

Etapa 6: Tomada de decisões e acções

#MoocVT

Repto: apoiar o processo de tomada de decisões na organização.

A partir da difusão dos produtos de vigilância e inteligência, se deve promover a reflexão interna e coletiva sobre os desenvolvimentos tecnológicos, produtivos e competitivos dos resultados obtidos. Trata-se de interpretar os resultados e propor possibilidades de atuação para servir de apoio ao processo de tomada de decisões contínuo na organização. 

Esta última fase, evidência como a inteligência estratégica é a razão de ser para empreender eficazmente estes esforços nas organizações, potenciando a inovação desde as estratégias de negócio.

Ferramentas

As ferramentas de vigilância e inteligência tecnológica são imprescindíveis para captar, processar e transformar a grande quantidade de dados e informação disponível atualmente, em conhecimento útil para a tomada de decisões numa organização. 

Para isso, existem vários tipos de ferramentas informáticas cuja aplicação depende do tipo de informação que precisamos e os recursos disponíveis, entre outros factores. As mais destacadas são: 

  • Alertas: serviços personalizados para a monitorização automatizada de informação atualizada. Em general, estão baseadas em assinaturas, registos ou sindicalização de conteúdos (RSS) e podem ser de diversos tipos, temáticas ou setores. Por exemplo: 
    • OBSERVA oferece um serviço de alertas personalizadas por setor em aberto. 
    • OVA oferece um serviço de alertas especializado no setor agroalimentar
    • OEPM oferece um serviço de alertas tecnológicas com as últimas patentes publicadas por setores. 
  • Pesquisadores especializados: recuperadores de informação centrados num tipo de fonte, temática ou setor específico. Por exemplo: 
    • INTELLIGO, navegador de patentes e publicações para a Iberoamérica. 
    • RECOLECTA, repositorios científicos com acesso aberto. 
    • LAReferencia, navegador de publicações científicas da América Latina com acesso aberto. 
  • Banco de dados especializados: recuperação de informação estruturada que permitem um tratamento mais avançado dos dados. Por exemplo: 
  • Metapesquisadores: permitem lançar uma única pesquisa em vários motores simultaneamente, oferecendo resultados num único sítio e de maneira organizada e com hierarquia. Oferecem resultados exaustivos sobre uma gama de fontes de informação e contribuem com uma panorámica geral sobre um tema em concreto. Um exemplo deste tipo de ferramentas é o motor de OBSERVA: Metapesquisador de Ciência e Tecnologia produzida na Iberoamérica.
  • Marketplaces: ferramentas a cada vez mais úteis para a promoção e comercialização de tecnologia devido a que oferecem acesso a ofertas e necessidades tecnológicas publicadas por pesquisadores e empresas, bem como processos de pesquisa de sócios para projectos de I&D multinacionais. Descubra os marketplaces tecnológicos mais relevantes.
  • Software integral de vigilância tecnológica: são soluções tecnológicas criadas para uma gestão integral e sistémica das práticas de vigilância tecnológica nos diferentes processos. Existe uma variedade de opções, algumas gratuitas outras de sob licensa, atendendo a diferentes fontes de informação e funcionalidades. Por exemplo: 

Para ampliar sobre esta categoria de ferramentas, visite #Open_tools, um espaço de #MoocVT para descobrir ferramentas gratuitas, especializadas e integrais de vigilância e inteligência ao alcance de todos.

Recursos

A cada vez mais analisar informação de valor e transmitir o potencial aos tomadores de decisões resulta crucial para o sucesso de uma estratégia de vigilância e inteligência numa organização.

Por isso, desde o OVTT, pomos à disposição dos utentes e organizações interessadas em implementar estas práticas empresariais, estratégias para a actividade profissional e uma ampla variedade de conteúdos, ferramentas e actividades para iniciar-se: