inovação é a aplicação comercial de uma ideia ou invenção e a sua gestão resulta essencial para enfrentar a transformação digital os organismos, empresas e negócios.

Nesta guia para a gestão da inovação encontrará recomendações sobre os principais conceitos para a implantação de uma estratégia de inovação

Tipos de inovação

inovação já não é uma opção, senão um motor de competitividade imprescindível, onde a sua implementação efectiva depende de diversos factores. Primeiro é fundamental decidir o tipo de inovação que se pretende implementar na organização, visto que a inovação não é só tecnológica nem está baseada unicamente em ideias disruptivas.

Manual de Oslo (2018), por exemplo, amplia a definição de inovação segundo o âmbito de aplicação para referir-se a:

  • Inovação como processo: promove o desenvolvimento de atividades de I&D na organização, incluindo todas as etapas, gestões e questões financeiras e comerciais.
  • Inovação como resultado: impulsa um produto, serviço ou processo melhorado, que difere significativamente do anterior conhecido.

Por outro lado as inovações dependem da origem: podem estar impulsionadas pela ciência com modelos technology-push ou responder a necessidades do mercado com modelos market-pull, bem como podem desenvolver-se no meio fechado da organização sob modelos closed-innovation ou também abrir-se à inovação aberta com modelos de open-innovation. Todas estas questões determinam o modelo de gestão da inovação que guiará a implantação com sucesso na organização. Dentro da instituição (empresa, grupo de investigação ou centro tecnológico, etc.) é crucial formalizar uma cultura da inovação para que esta se converta, verdaderamente numa fonte de vantagens competitivas para a instituição ou empresa.

Etapas da gestão da inovação

gestão da inovação como processo estratégico nos organismos alcança desde a geração da ideia inovadora até à implementação e posta em valor, requerendo metodologias e sistémicas cada vez mais ágeis, flexíveis e especializadas.

De facto, igual que nos planos de empresa, as metodologias e ferramentas de gestão da inovação estão em plena transformação para adaptar-se ao ritmo e complexidade que impõe o contexto tecnológico. Existem variadas propostas de gestão.

As principais etapas de gestão da inovação podem caracterizar-se por:

  1. Ideia: dedicada à aplicação de técnicas de criatividade e ferramentas para detectar, avaliar e desenvolver oportunidades de inovação para a organização, que podem também vir de ofertas e necessidades tecnológicas.
  2. Estratégia: centrada no desenho de um plano estratégico que ajude a dimensionar a gestão que implicará o desenvolvimento da ideia inovadora, com ferramentas úteis como o diagrama de fluxo da inovação ou os roadmapping tecnológicos.
  3. Financiamento: antes de avançar resulta fundamental identificar potenciais oportunidades de financiamento e cooperação tecnológica que ajudem a aumentar os recursos e o alcance do projecto inovador.
  4. Desenvolvimento: focado ao desenho da proposta de valor que formaliza a ideia inicial, com ajuda de ferramentas ágeis de gestão como o design thinking.
  5. Exploração: desde as actividades necessárias para o lançamento até à implementação de indicadores para a medida, rastreamento e avaliação de resultados.

Em todas estas fases o apoio das técnicas de inteligência tecnológica para guiar uma tomada de decisões informada resulta essencial. Por exemplo, é vital para contrastar informação, reduzir riscos, poupar esforços e procurar aliados estratégicos que favoreçam o alcance e sucesso da ideia inovadora.

No #MoocVT encontrará recursos de aprendizagem e exercícios para a vigilância tecnológica e inteligência competitiva que são aliados importantes na estratégia de inovação.

Ferramentas para uma gestão ágil da inovação

método de gestão da inovação convencional está em transformação, porque o atual contexto tecnológico limita os ciclos de vida dos produtos e exige respostas mais rápidas às organizações para sobreviver no mercado.

As ferramentas mais efectivas para uma gestão ágil da inovação estão em constante evolução e combinam múltiplas metodologias, estratégias e técnicas de aplicação, inclusive os Modelos Canvas. Também, cada vez são mais os recursos disponíveis em aberto como:

Proteger ideias inovadoras para gerar activos intangíveis de negócio

propriedade intelectual e industrial converteu-se no principal mecanismo para rentabilizar o investimento das actividades de inovação e projectos de I&D.

Por isso, garantir uma protecção do conhecimento a tempo é essencial para gerar activos intangíveis na empresa ou organização. Estes resultam decisivos para as operações de negócio e além disso são uma fonte de informação estratégica para aproveitar o valor da inteligência tecnológica nas estratégias de inovação.

Localizar oportunidades de financiamento para apoiar iniciativas inovadoras e projectos de I&D

Estar atualizado sobre novas oportunidades de financiamento em I&D resulta imprescindível para fazer realidade as estratégias e planos de inovação das empresas e organizações. Para isso, a vigilância e a inteligência são também ferramentas estratégicas para captar a tempo essas oportunidades de financiamento em inovação. Existem múltiplas tipologias de financiamento de atividades de ciência, tecnologia e inovação que vão desde os fundos públicos a iniciativas privadas e especializadas por sectores. Cada país conta com uma grande heterogeneidade de convocações para pesquisadores, empreendedores e empresas.

Além dos pesquisadores especializados para procura de financiamento e contratação, é fundamental conhecer quais são os principais organismos de financiamento na cada sistema nacional de ciência, tecnologia e inovação para monitorizar as novidades e lançamentos de convocações. Os mais relevantes para a Iberoamérica são:

Para antecipar-se ao lançamento destas convocações, é recomendável indagar os actores que configuram o ecossistema de inovação da cada país assim como os programas de financiamento previstos nos planos nacionais de ciência e tecnologia.

Oportunidades de cooperação tecnológica para impulsionar a internacionalização da I&D

cooperação tecnológica é imprescindível para as organizações e empresas que precisam inovar, porque enfrentar as despesas dum projecto individualmente é cada vez mais complexo. Além disso a cooperação tecnológica está a converter-se num instrumento estratégico para a internacionalização dos negócios desde a I&D, permitindo às empresas reforçar as capacidades tecnológicas ampliando o seu impacto nos mercados globais. 

Os instrumentos de financiamento que apoiam a cooperação tecnológica nacional e internacional são muitos e variados destacando, também os programas dirigidos a financiar a cooperação tecnológica multinacional entre países de Europa e América Latina.

As modalidades de cooperação tecnológica mais relevantes são:

Entre os programas de cooperação tecnológica multilateral mais relevantes para a Iberoamérica destacam:

Para garantir uma cooperação tecnológica de sucesso resulta fundamental desenhar uma estratégia de propriedade intelectual e industrial eficaz. Com este objectivo, projectos como Latin America IPR SME Helpdesk oferecem um serviço gratuito, especializado e confidencial a empresas interessadas na internacionalização na América Latina.