transferência de tecnologia e conhecimento científico engloba um conjunto de acções dirigidas a facilitar a exploração comercial e o impacto social das capacidades e os resultados de investigação conseguidos através das actividades de I&D.

Esta actividade desenvolve-se no seio dos ecossistemas de inovação e a sua eficácia requer de inteligência tecnológica ao longo de todas as etapas de gestão para ajudar a identificar riscos, oportunidades e potenciais sinergias de colaboração entre os avanços científicos e as necessidades do sector produtivo, mercado e social.

Nesta guia de transferência de tecnologia encontrará as principais etapas de gestão e recomendações para o seu desenvolvimento: 

Identificação e avaliação tecnologica

Desafio: ser capaz de identificar e avaliar tecnologias com potencial de adaptação à organização ou projecto de inovação.

A primeira etapa do processo de acesso à tecnologia começa com a determinação de uma necessidade tecnológica. Esta estabelece os critérios da problemática a resolver e na procura do conhecimento mais adequado à situação. A procedência dessa necessidade é determinada pelo modelo de gestão da inovação da organização e gera-se a partir de duas vias principais:

  • Requesitos tecnológicas: a organização identifica aquela necessidade tecnológica que lhe pode ajudar a resolver o problema tecnológico e prepara a sua pesquisa.
  • Ofertas tecnológicas: as entidades geradoras de conhecimento científico e tecnológico oferecem as suas capacidades e resultados inovadores e procuram onde aplicar.

Além de combinar (match) os requisitos e as ofertas tecnológicas, é importante avaliar qual será o impacto de implementar essa tecnologia na organização (por exemplo, empresa), tanto se é um desenvolvimento de I&D internos ou se é uma aquisição externa. Para isso, além da inteligência tecnológica, existem múltiplos instrumentos de identificação e avaliação de tecnologias.

Principais tipos de ferramentas de identificação e avaliação tecnológica: 

Proteção do conhecimento científico e tecnológico

Desafio: ser capaz de gerar activos de valor intangíveis a partir de uma protecção jurídica e estratégica dos resultados de investigação, para fortalecer as possibilidades de comercialização da I&D através de licenças de exploração tecnológica.

propriedade intelectual e industrial é uma etapa fundamental no processo de transferência tecnológica e um elemento essencial para a inteligência tecnológica. Além de gerar activos intangíveis através do conhecimento científico, uma gestão eficaz permite aumentar a capacidade inovadora das organizações e as suas vantagens competitivas no mercado.

Para profundizar consulte a Guia de propriedade intelectual e industrial.

Valorização da I&D

Desafio: ser capaz de incrementar o valor das capacidades e resultados de I&D para que resultem mais atraentes na fase de disseminação, comunicação e exploração no mercado.

Esta etapa implica a criação do catálogo tecnológico, com a elaboração das ofertas e requisitos tecnológicas. São documentos que detalham a tecnologia inovadora susceptível de ser transferida a outra organização (empresa) ou a necessidade ou problema tecnológico que tem uma organização. São muitos os modelos que existem para orientar a sua estrutura e conteúdo, organismos como a Enterprise Europe Network (EEN) oferecem em abertos os seus modelos para a elaboração de ofertas e requisitos tecnológicos.

O catálogo tecnológico (portfolio tecnológico) deve ser publicado nos meios de promoção adequados como por exemplo InnoUA da Universidade de Alicante. Se disseminam através dos marketplaces tecnológicos como documento principal do plano de promoção tecnológica (marketing tecnológico).

A etapa de valorização da I&D também implica a selecção do mecanismo ou rota tecnológica mais adequada para transferir a tecnologia ao mercado.

Principais tipos de rotas tecnológicas:

  • Cooperação tecnológica em I&D.
  • Assistência técnica.
  • Acordos de licença de propriedade intelectual e industrial.
  • Criação de empresas de base tecnológica ou Startup.
  • Mobilidade do pessoal através de programas.

Promoção tecnológica ou Marketing tecnológico e Deteção de necesidades.

Desafio: ser capaz de dar a máxima disseminação segmentada de uma oferta ou necessidade tecnológica para detectar potenciais organizações interessadas na sua exploração comercial.

Uma vez elaborada a oferta ou necessidade tecnológica, é tempo de desenhar o plano de promoção tecnológica (marketing) para ter a máxima divulgação possível. Para isso, muitos tecnólogos aplicam técnicas próprias do marketing tecnológico utilizando as redes sociais, os eventos e as colaborações constantes com colectivos empresariais. Os marketplaces tecnológicos desempenham um papel crucial nesta etapa de disseminação de tecnologias susceptíveis de comercialização, bem como o networking de redes como a EEN. Os esforços pro-activos são a cada vez mais importantes, como a procura de empresas para a participação nos projectos colaborativos de I&D.

inteligência tecnológica resulta essencial nesta etapa, especialmente orientada na construção de sinergias entre o mundo científico e produtivo. Por um lado, a inteligência tecnológica ajuda as instituições de investigação a ajustar sua oferta tecnológica às necessidades do sector produtivo; e por outro, permite que as empresas identifiquem tecnologias de interesse, analisar aplicações e explorar oportunidades de cooperação e alianças estratégicas para fortalecer a capacidade de inovação.

Negociação e Acordos tecnológicos

Desafio: conseguir a aplicação comercial da tecnologia com garantias de rentabilidade económica e social.

Esta etapa de negociação é uma das mais complexas e sensíveis no processo de transferência de tecnologia e normalmente está sujeita a acordos de confidencialidade. A informação e o poder de negociação são elementos de gestão fundamentais, e a inteligência tecnológica converte-se na ferramenta essencial para contrastar, validar e guiar o processo de tomada de decisões.

Principais tipos de acordos tecnológicos:

Este processo de negociação costuma ir orientado ao acordo tecnológico cujos mais comuns são:

  • Contratos de I&D ou de desenvolvimento tecnológico: geralmente sao contratos para assessoramento ou assistência técnica, etc.
  • Convénios de I&D: para a cooperação tecnológica com o desenvolvimento de  I&D colaborativa através de projectos regionais, nacionais ou internacionais. 
  • Criação de empresas de base tecnológica a partir de resultados de investigação.