Apresentamos o SocialOVTT, uma experiência formativa piloto em Educação Superior que estamos a promover desde o Observatório Virtual de Transferência de Tecnologia (OVTT), em colaboração com a Universidade de Alicante, para fomentar desde as aulas e com os estudantes emprender socialmente, a cultura participativa e colaborativa da inovação aberta e a aprendizagem em rede para um uso eficiente das novas tecnologias desde o meio universitário, dentro das nossas actividades de Responsabilidade Social Universitária.

Conheçamos esta singular experiência formativa desde o testemunho dos seus protagonistas. Para isso, falamos com Rosa María Torres Valdés (@RosaTorresV), docente da matéria “Teoria e Técnicas de Relações Públicas” dada na Licenciatura de Publicidade e Relações Públicas da Universidade de Alicante; Sofia Oliveira Pires, coordenadora do OVTT, e Alba Santa Soriano (@AlbaSanta), orientadora desde o OVTT para os estudantes nesta iniciativa. Alé, disso conheceremos a opinião que os participantes de SocialOVTT estão a publicar nas redes sociais sobre a sua experiência de aprendizagem.

P: Rosa Torres, que é o SocialOVTT?

R: Trata-se de um repto prático lançado aos estudantes desde a matéria de “Teoria e Técnicas de Relações Públicas” em estreita colaboração com a equipa de profissionais do Observatório Virtual de Transferência de Tecnologia. Criamos conjuntamente para a matéria esta acção formativa de colaboração didáctica com a que, baixo o enfoque aprender fazendo, através de projectos, os alunos estão a adquirir os conhecimentos próprios de Relações Públicas através de uma aprendizagem baseada na experiência e pensada para estimular o desenvolvimento de aptitudes/strong> que respondam às demandas do mundo actual.

Com SocialOVTT propomos-lhes a estes alunos desenhar um projecto de Relações Públicas real para um cliente verídico, o OVTT, e lançamos-lhes a descobrir um âmbito de conhecimento científico e futuro desenvolvimento profissional novo para eles: Relações Públicas para a divulgação científica de proximidade da Ciência e a Tecnologia, que neste caso prático consiste na elaboração desse plano de acção de Relações Públicas para socializar o OVTT, aplicando os conceitos teóricos e práticos da matéria e explorando novas formas comunicativas de colaboração e participação através de Internet. Uma oportunidade para todos de aprender a ligar , transversal e criativamente, ideias e conceitos multidiciplinares com os que conseguir captar a atenção e interesse dos públicos.

P: Como nasce esta iniciativa?

R: SocialOVTT nasce graças à colaboração de docentes, alunos e profissionais preocupados por impulsionar uma formação profissional de qualidade, que nos capacite a todos para dar resposta aos reptos sociais do presente num mundo cada vez mais complexo, interconectado e global. Neste projecto eu como docente tenho tido o papel também de aluna, tenho aprendido desde a base e com os alunos a entender e a manejar as tecnologias digitais para melhorar o meu trabalho como professora, investigadora e profissional em activo das Relações Públicas.

Isto é, em SocialOVTT, docentes, alunos e profissionais do mundo da Universidade e a empresa estamos a aprender juntos, através deste projecto real, a pesquisar de maneira colaborativa, explorar novas formas de aprendizagem em rede e incorporar um uso eficiente e colectivo das novas tecnologias com o que melhorar o nosso trabalho e as nossas habilidades como profissionais competentes no meio digital.

P: Como o levam à prática?

R: Através do trabalho colaborativo na rede. Em equipas, os alunos estão a desenhar este plano de Relações Públicas para socializar o OVTT. Desde o princípio, em todas as fases de trabalho, o uso de Internet e as redes sociais tem estado presente desde uma perspectiva profissional e aberta à colaboração, entre eles e com o mundo digital.

Temos aprendido a activar e utilizar as nossas contas em redes sociais com uma mirada profissional; utilizado ferramentas digitais para facilitar o trabalho em equipa entre todos, alunos, equipas e docente; temos aprendido a pensar em palavras-chave e procurar informação relevante e veraz em Internet, guardá-la, compartilhá-la e gerar valor para cada trabalho; inclusivé, os alunos têm contactado directamente com profissionais activos unidos às Relações Públicas, à divulgação científica, à transferência de tecnologia e à inovação aberta melhorando e enriquecendo o seu processo de aprendizagem além de levá-lo ao mercado. Em suma, entre todos temos feito de SocialOVTT uma comunidade viva de aprendizagem colaborativo.

Sessão 1. Briefing do OVTT e suas necessidades de comunicação.

View more presentations from OVTT

Desde a perspectiva docente, esta actividade pretende atingir os objectivos descritos para a matéria e que se englobam em dois blocos:

1. Didácticos:

  • Dar aos alunos a oportunidade de aplicar os conhecimentos teóricos da matéria num caso verídico, relevante e que vislumbra como fonte emergente de emprego no âmbito da comunicação e da actividade específica das Relações Públicas.
  • Facilitar ao aluno o entendimento e interiorização de conceitos das Relações Públicas para o exercício profissional de excelencia, aproximando-lhe assim ao mundo do trabalho profissional e/ou de investigação no âmbito da comunicação.

2. Da actividade em si mesma:

  • Conceber uma estratégia informativo-comunicativa, como processo aberto e expandido em Internet, orientado à aplicação de conhecimentos científicos específicos de Relações Públicas e selecção das melhores tácticas, técnicas e instrumentos para atingir objectivos de socialização do OVTT.
  • Usar as novas tecnologias para estimular a aprendizagem e fazer deste um processo mais rico e participativo, em contacto directo com profissionaisactivos e públicos de interesse; aprendendo assim a utilizar ferramentas digitais, redes sociais e Internet desde uma perspectiva profissional.
  • Construir uma rede de aprendizagem individual e colectiva que permita aos alunos integrar as possibilidades de Internet em todas as fases do seu projecto e ajude a fazer bem e fazer sabera outros o propósito, desenvolvimento e resultados do mesmo.
  • Aprender a trabalhar em equipa, colaborar e compartilhar na rede, melhorando as asptitudes dos alunos em informação, comunicação e habilidades sociais (Projecto DeSeCo, OCDE); com especial atenção, como assinala o Plano de Bolonha, em dotar à pessoa de autonomia e pensamento crítico, formando o seu espírito crítico e as aptitudes necessárias para filtrar e seleccionar fontes de informação de qualidade e contrastadas.

É mais, no plano docente, esta experiência formativa implica uma estratégia metodológica de Investigação-Acção, a fim de verificar hipóteses iniciais sobre a influência da capacidade de usar ferramentas digitais, na motivação do aluno, a interiorización de teorias, modelos e conceitos inovadores, e finalmente a melhora de possibilidades de emprego e autoempleo na sua área de conhecimento com perspectiva de inovação social.

P: Alba Santa, desde o OVTT trabalhais por impulsionar o uso eficiente das tecnologias digitais na actividade profissional do utente, como se enfrenta o repto de incorporar as tecnologias digitais como ferramentas para melhorar a aprendizagem dos alunos nas salas?

R: Desde o OVTT somos conscientes que um uso eficiente das tecnologias digitais por parte do utente, seja qual seja o seu perfil, melhora consideravelmente a sua actividade profissional no mundo actual, e impulsionar a aprendizagem colaborativa e explorar novas metodologias de capacitação tecnológica dos utentes é uma das nossas principais missões. Chegar às salas de aula é dar um passo mais, comprometer o nosso meio universitário e trabalhar, desde a nossa Responsabilidade Social Universitária, por facilitar conceitos e ferramentas digitais para que estes jovens futuros profissionais aprendam a pensar e criar no mundo digital. O repto é como fazê-lo, como contribuir e dat valor a estes jovens internautas.

Se pensamos no nosso dia a dia, as pessoas com acesso a Internet vamos sendo cada vez mais. Internet e, sobretudo o site social, proporciona-nos como utentes um meio de acesso global à informação e ao conhecimento e umas possibilidades de interagir com pessoas e organizações em qualquer parte do mundo como nunca antes tivemos.

No entanto, na maioria dos casos, a nossa aprendizagem como utentes das tecnologias digitais é autodidacta e intuitiva, muito unida aos reptos pessoais do presente e, na maioria dos casos (sobretudo naqueles que denominamos “nativos digitais”) limita-se só ao âmbito pessoal, deixando a um lado o uso académico e profissional de Internet e as redes sociais. E este é o repto que temos pretendido abordar em SocialOVTT : incorporar estas ferramentas digitais na aprendizagem e investigação na disciplina de Relações Públicas olhando às oportunidades de desenvolvimento profissional que têm no âmbito da ciência e a tecnologia como elementos do desenvolvimento sustentável.

Por isso, porque não incorporar a aprendizagem e uso das tecnologias digitais na sala de aulas como uma parte complementar mais da formação em matérias teóricas? porque não ampliar o acesso aos recursos formativos sobre esta matéria na rede? porque não interagir com os próprios profissionais da actividade de estudo? porque não dar aos alunos o papel de pesquisadores sobre a matéria em Internet?. Estas e outras perguntas pretendemos formular e explorar com SocialOVTT e, o mais importante, partimos de uma ideia primordial à hora de aprender a utilizar as tecnologias digitais: é fundamental aprender desde o individual, reforçando as nossas habilidades digitais, para aplicar no colectivo e cooperativo, através do desenho de meios digitais para o trabalho em rede e facilitando fluxos de informação e conversa em Internet. E isto é o que temos feito em SocialOVTT .

P: Em que consiste este meio digital de aprendizagem colaborativo e trabalho em rede que comentas?

R: Em SocialOVTT chamámo-lo o nosso Caderno digital. Trata-se do espaço de trabalho on-line no que se desenvolve a iniciativa e com o que estamos a explorar novas formas de ensinar e aprender através das tecnologias digitais e o uso eficiente e intensivo de Internet para pesquisar, interagir e compartilhar com outros esta experiência formativa na rede.

Como mostra esta imagem, o Caderno digital é a soma de ferramentas digitais e práticas que desenvolvem os alunos de SocialOVTT e está criado para que todos os participantes (alunos, docentes, profissionais, empreendedores, etc.) aprendam a usar as novas tecnologias em benefício da sua aprendizagem, fazendo-o mais enriquecedor e participativo, e comecem a construir a sua rede pessoal e profissional de aprendizagem com a que contactar com esses profissionais activos e, também, dar-se a conhecer como jovens criativos e futuros profissionais de comunicação e Relações Públicas.

O Caderno digital conta com três dimensões de uso para o aluno, com as que combinar a aprendizagem individual da cada um no uso de ferramentas digitais, a coordenação de tarefas em equipa e os benefícios de compartilhar informação e conhecimentos baixo um mesmo projecto, SocialOVTT.

O eixo central do Caderno digital é o Blog de SocialOVTT, criado por e para os alunos, e onde cada equipa conta os progressos de seu trabalho, pesquisando e compartilhando conhecimentos na rede com outros utentes. Através do hashtag #socialovtt se pode seguir a actividade nas redes sociais mais populares e colaborar com as equipas através dos seus hashtag próprios.

Paralelamente organizaram-se actividades como workshops e tutoriais para apoiar os estudantes na aprendizagem individual e colectiva destas ferramentas digitais e a sua utilização para melhorar o seu trabalho em todas as fases do projecto. Além disso, está previsto realizar a actividade mais importante, o Seminário de Quarta Cultura que servirá como evento especial para expor a esencia do projecto e as suas conclusões. Neste eventos cada equipa contará as suas propostas, como se de um trabalho real se tratasse.

P: Para concluir, Sofia Oliveira Pires que lições aprendidas e reptos de futuro se levam com esta experiência?

R: Tem sido uma experiência muito superior às expectativas em todos os sentidos, e ainda não terminou. Desde o OVTT estamos muito satisfeitos da resposta e envolvimento dos participantes, os resultados estão a ser muito positivos tanto em relação à avaliação da qualidade da formação como no impacto e visibilidade da actividade em Internet.

Para nós está a ser uma experiência piloto exitosa como acção de Responsabilidade Social Universitária, porque estamos a observar como se pode impulsionar o emprendimento social nas salas de aulas universitárias desde o nosso trabalho no OVTT, em estreita colaboração com docentes e profissionais, para mostrar conjuntamente novos caminhos de desenvolvimento profissional e auto-emprego a estes jovens, futuros profissionais e com muito potencial para contribuir à Ciência e à Tecnologia como elementos de desenvolvimento socio-económico no nosso território. Muitos têm descoberto novos nichos de emprego que têm ao seu alcance e que antes desconheciam e, o mais importante, uma forma de trabalhar em rede que seguro trá-lhes-á grandes surpresas se as aproveitam.

Esperamos que este projecto seja um princípio, siga vivo na rede (net) com cada uma das identidades digitais que o aluno tem começado a construir e que se transforme em novas iniciativas colaborativas de Responsabilidade Social Universitária que queremos empreender desde o OVTT.

‘; // ]]>

ovtt.post-categories.explore