“Investigação, acção e aprendizagem” é o lema do Programa de Desenvolvimento Empreendedor (Prodem), impulsionado pelo Instituto de Indústria da Universidade Nacional de General Sarmiento de Argentina. Um programa pioneiro sobre empreendimento e inovação na América Latina, interessado na criação de empresas e na contribuição ao progresso económico e social da região desde a perspectiva latino-americana.

Falamos com Hugo Kantis, Diretor do Programa Prodem e especialista internacional em empreendimento, programas e políticas de desenvolvimento empreendedor com um extenso curriculum profissional na matéria.

P: Como surge o Programa Prodem na sua instituição?

Prodem nasce ao percecionar que o contexto latino-americano carecia de bases de conhecimento sólido a respeito do processo de empreendimento e de como fomentar o seu desenvolvimento como sistema. Deste modo é uma resposta também ao contexto internacional, onde cada vez é mais evidente a importância do empreendimento para o desenvolvimento sustentável dos territórios e regiões.

Empreender na América Latina. Entrevista a Hugo Kantis, Diretor de PRODEM. from Grupo Pértiga on Vimeo.

P: Quais são os seus objetivos?

Como resposta a este contexto de demanda social, os objectivos de Prodem consistem em gerar e transferir conhecimentos rigorosos sobre o ecossistema e o empreendimento em base a uma estratégia metodológica que se alimenta da investigação e da própria experiência de trabalho com os actores reais.

É um modelo que outorga uma importância estratégica à participação em redes e alianças com outras instituições nacionais e internacionais, profissionais e empreendedores, para conseguir um melhor vínculo de ida e volta entre o processo de construção de conhecimento e a prática concreta.

P: A quem está dirigido o Programa Prodem e que oferece?

Os destinatários de Prodem são os governos e os diferentes actores do ecossistema que trabalham com os empreendedores. Prodem oferece-lhes serviços de investigação, estudos, assistência técnica e capacitação que ajudam a definir políticas e programas institucionais de fomento do empreendimiento dinâmico e inovador; a fortalecer capacidades e a avaliar os resultados de suas actuações.

Também, desde Prodem trabalhamos com as organizações do ecossistema e desenvolvemos actividades directamente destinadas aos profissionais que trabalham nelas.

P: Poderia compartilhar-nos um caso de sucesso que tenham desenvolvido?

Se olhamos a Prodem como um empreendimento podemos destacar vários sucessos. Por exemplo:

Ter dado o nome ao conceito de empreendimento dinâmico hoje utilizado amplamente na região e por conseguinte ter contribuído a que se perceba que não todos os empreendimentos são iguais e que o seu impacto também não é. Para aprofundar nesta ideia é muito interessante consultar a publicação “Empresarialidad en Economías Emergentes” (Kantis, Ishida & Komori, 2002), publicada pelo Banco Interamericano de Desarrollo (BID).

P: Quando se celebra o Seminário e quem pode participar?

Prodem organiza cada ano este Seminário para Profissionais do Ecossistema Empreendedor na América Latina, um espaço orientado à formação, à reflexão e ao intercâmbio de experiências entre profissionais que estão a participar das diferentes iniciativas de fomento ao empreendimento e a inovação na nossa região. Mais de 200 profissionais de Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, El Salvador, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Peru, República Dominicana, Uruguai e Venezuela já participaram das quatro edições anteriores do encontro.

Neste ano, no mês de Maio, leva-se a cabo no Chile a quinta edição do Seminário para Profissionais do Ecossistema Empreendedor na América Latina com uma ampla equipa de formadores. Já se encontra aberto o período de inscrição para todos os interessados.

P: Desde a sua experiência, quais são as principais oportunidades e desafios que oferece o meio actual aos empreendedores?

As oportunidades têm que ver com as economias latino-americanas que se beneficiaram do crescimento económico, dando lugar a uma ampliação das classes médias e das suas demandas ao mesmo tempo que cresceu muito a conexão com actores dos mercados internacionais. O apoio aos empreendedores de incubadoras, aceleradoras, centros de empreendimento também cresceu enormemente e começam a fazer a sua aparição jovens empresários que se voltam mentores ou inclusive investidores. A sociedade tendeu a evoluir culturalmente reconhecendo o valor dos empreendedores.

Do outro lado, há muitos desafios para os empreendedores porque ainda quando as tendências anteriores são positivas não temos ecossistemas maduros. Como consequência, com variações entre países, aceder a financiamento não é simples e nem em todos os países é igualmente fácil tecer redes de contacto. As empresas grandes que poderiam contribuir ao ecossistema estão a começar, só umas poucas, a fazê-lo. Por outra parte, há países com sistemas impositivos e regulações pesadas para os empreendedores que supõem ainda hoje um travão a este desenvolvimento.

P: Para finalizar, quais são os principais reptos de futuro do Programa Prodem para este ano?

Para 2015, nossos reptos principais são:

Lançar o segundo relatório do ICSEd Prodem dando conta da evolução das condições sistémicas para o empreendimento na região.

  • Promover a realização de estudos baseados no ICSEd a nível dos países.
  • Realizar o Quinto Seminario para Profesionales del Ecosistema en Chile.
  • Dar um salto de qualidade nas nossas comunicações.
  • Avançar ainda mais em nossa capacidade de influir no desenvolvimento das políticas de empreendimento na região.

Mais informação: Programa PRODEM

ovtt.post-categories.explore