Conscientes da necessidade de impulsionar a inovação como factor estratégico de desenvolvimento sostenible e competitivo nacional, a Universidade de Costa Rica (UCR) e a Câmara de Indústrias de Costa Rica (CICR) se aliam estrategicamente para criar a Cátedra de Inovação e Desenvolvimento Empresarial, um instrumento chave para consolidar um sistema nacional de Inovação que dê resposta aos retos produtivos e de investigação do país.

Falamos com o Dr. Rafael Herrera, responsável principal da Cátedra:

Q: Dr. Rafael Herrera conte-nos como surge a necessidade de arrancarcom este inovador projecto da Cátedra de Inovação e Desenvolvimento Empresarial da Universidade de Costa Rica:

R: Em Costa Rica, desde alguns anos, estamos inmersos numa profunda discussão sobre a dinámica que o país deve seguir para consolidar um sistema nacional de inovaçãocompetitivo. Entendendo este como um espaço de cooperação e coordenação entre diferentes actores que pelas suas características, se podem beneficiar mutuamente dessas relações, sobretudo se consideramos que aproximadamente o 60% da I+D do país, é executado pelas Universidades Públicas.
A Universidade de Costa Rica (UCR) e a Câmara de Indústrias de Costa Rica (CICR) assinaram em 2004 um convénio de cooperação para fortalecer as relações existentes e criar um ambiente propício para o desenvolvimento de projectos conjuntos em diferentes temáticas conforme com as necessidades e possibilidades da cada instituição.
Em 2007, após um intenso trabalho conjunto entre profissionais de ambas instituições e graças ao apoio das máximas autoridades, se decidiu criar conjuntamente a Cátedra Inovação e Desenvolvimento Empresarial, concebida como esse espaço de cooperação, em onde trabalhar conjuntamente por fomentar o desenvolvimento do sector produtivo de Costa Rica apostando pela inovação como factor estratégico de sustentabilidade e competitividade.

Q: Qual é o envolvimento da Câmara de Indústrias de Costa Rica na Cátedra e de outras organizações e instituições que têm conseguido fazer-se partícipes do projecto:

R: A ideia de estabelecer a Cátedra surge das discussões e do trabalho conjunto entre a UCR e a Câmara, isto é, desde a sua criação a Câmara de Indústrias de Costa Rica esteve envolvida directamente no desenho e posta em marcha do projecto.
Paulatinamente, durante o processo de criação da Cátedra foram-se incorporando outras unidades académicas cujas funções estão intimamente relacionadas com a inovação. Desta maneira, conseguimos conceber a Cátedra como uma rede de unidades pela inovação. Entre as instituições que colaboram conosco estão a Faculdade de Ciências Agroalimentares, a Escola de Administração de Negócios, a Escola de Engenharia Industrial, o Vicerrectorado de Investigação, PROSIC, PROINNOVA, FUNDEV, entre outros.

Q: Quais são os seus principais objectivos de actuação?:

R: A Cátedra Inovação e Desenvolvimento Empresarial é um instrumento de cooperação estratégico, que no nosso caso persegue os seguintes objectivos:

  • Concienciar a respeito da importância e relevância que tem para o nosso país trabalhar na consolidação de um modelo de desenvolvimento baseado na inovação.
  • Servir de médio para estimular, propiciar e desenvolver análises e investigações no campo da inovação.
  • Participar na procura de soluções e propostas para o desenvolvimento da inovação em Costa Rica.
  • Discutir e propor acções sobre as condições e os meios para levar a cabo inovações exitosas ou efectivas.
  • Oferecer diversas actividades, como colóquios, seminários, simpósios, encontros e mesas redondas, para promover o desenvolvimento da inovação empresarial.
  • Projectar e divulgar à comunidade nacional as actividades da cátedra em pró da inovação como médio para a competitividade dos sectores produtivos.

Em síntese, os objectivos propostos na Cátedra coincidem, plenamente, com a ideia de que a incorporação do conhecimento e o fomento da inovação nos processos produtivos requerem um trabalho conjunto que nos permita criar um meio habilitador e facilitador para a consolidação duma sociedade mais inovadora.

Q: Que utentes podem usufruir das actividades e benefícios de participar nesta Cátedra? Como podem contactar com vocês?

R: A Cátedra é um instrumento ao serviço de toda a comunidade nacional, tanto académica como do sector produtivo, que tenta contribuir à discussão e à geração de conhecimento que sirva para a tomada de decisões que facilite a cooperação universidade-sector produtivo, a incorporação do conhecimento para agregar valor à produção nacional e fomentar a inovação.
Estamos abertos a todo utente interessado em conhecer-nos e participar nas actividades que vamos organizando de qualquier sector e localização geográfica. Podem contactar-nos por médio de correio electrónico: rafael.herrera@ucr.ac.cr, o visitar o nosso site, http://catedrainnovacion.ucr.ac.cr/, para conhecer-nos e estar informado das actividades que vamos organizando.

Q: No mundo actual, porque é importante apostar pela inovação desde as empresas e qual é o papel que neste contexto que joga a Cátedra para empresas e investigadores?

R: Na última década o nosso país tem assinado uma série de tratados de livre comércio e abriu-se ao comércio mundial, tratando de promover que mais empresas e sectores produtivos exportem a mercados mais exigentes. Sem lugar a dúvida, estas mudanças obrigam às empresas de Costa Rica a apostar por estratégias de diferenciación. Aí a inovação joga um papel preponderante, dado que a criatividade e a incorporação de conhecimento para acrescentar valor impõe-se como ponto de partida para ser mais competitivo.
Nesse sentido mecanismos como a Cátedra, como já mencionei, são relevantes porque ajudam a concienciar sobre estas temáticas, mas adicionalmente melhoram o conhecimento sobre os nossos sectores produtivos o que permite adequar programas e orientar a tomada de decisões. Além disso, com nosso trabalho fortalemos ainda mais a relação da Universidade com os sectores produtivos e tentamos facilitar a aproximação à oferta científica e tecnológica universitária.

Q: Quais são algumas das actividades mais importantes nas que trabalha a Cátedra, para fortalecer essa relação Universidade-Empresa desde o conhecimento e entendimento da vossa idiosincrásía económica e social?

R: Desde a Cátedra realizamos uma série de actividades que procuram apoiar o desenvolvimento da inovação e incorporação do conhecimento nas actividades produtivas, abertos ao envolvimento e participação das empresas, a cooperação com organizações e instituições e a internacionalização da nossa actividade.
A nossa estreita relação de cooperação e colaboração com a Universidade de Costa Rica e a Câmara de Indústrias, facilita-nos informação e contactos para acercar ainda mais as necessidades do sector produtivo à Universidade, sendo em muitos casos a Cátedra o interlocutor relevante.
Entre os acordos de cooperação, destacamos a nossa colaboração com grupos de investigação e Universidades como o Grupo de Investigação em Inovação, Propriedade Intelectual e Política Tecnológica da Universidade Politécnica de Madrid (INNOPRO) e a Universidade de Alicante (UA). Fruto de estas relações promovemos cursos, estudos e projectos de investigação que mostram, desde diferentes perspectivas, como a inovação é relevante para o desenvolvimento produtivo. Entre estes destacar, por exemplo, o projecto de investigação conjunto entre o Grupo INNOPRO, a Câmara de Indústrias de Costa Rica e a nossa Cátedra, denominado “Análise do meio tecnológico industrial como suporte à exportação em Costa Rica” e que foi financiado pela Agência Espanhola de Cooperação para o Desenvolvimento (AECID). Como resultado deste trabalho realizamos diferentes actividades, como uma publicação denominada “O sector da indústria alimentária em Costa Rica: Uma perspectiva desde a Corrente de Valor e que para as unidades e instituições que participam na Cátedra tem sido um processo muito proveitoso, dado que, nos facilitou a transferência de metodologías, permitiu o intercâmbio de experiências e realidades de como se gere a inovação e contribuiu a promover a formação de pesquisadores nesta matéria; e dois departamentos técnicos para a indústria alimentária, um sobre normas para a qualidade e a produção, e outro sobre desenvolvimento de produtos inovadores, que se executaram em colaboração com o apoio do Centro Nacional de Tecnologia de Alimentos (CITA).
Com a Universidade de Alicante temos assinados dois acordos de cooperação que nos permitiram realizar numerosas actividades. Entre estas, contamos com a visita do Presidente da Fundação Universidade Empresa de Alicante (FUNDEUN) e de professores da Escola de Computação da UA, entre outros. Estes últimos desenvolveram um programa de cooperação com FEMPA em Alicante, denominado METAL-TIC, que resultou de grande sucesso na relação Universidade-Empresa e que tivemos a oportunidade de conhecer de perto para aplicar depois no sector metalmecánico Costarriquense, impulsionando actividades de cooperação entre a Câmara de Indústrias de Costa Rica, ASOMETAL, a Cátedra e FEMPA.
Outra das actividades mais relevantes da Cátedra são a criação do Prémio Ideias Inovadoras, dirigido a fomentar o espírito inovador e emprendedor entre os jovens estudantes da Universidade da Costa Rica. Nas suas cinco edições realizadas até o momento conseguimos resultados muito interessantes, por exemplo uma das ganhadoras do prémio na edição anterior, estudante de microbiologia, participou num concurso da Organização de Estados Americanos (OEA) e ganhou um dos prêmios. Actualmente está aberta outra convocação em diferentes categorias: general, TIC e inovação social e podem consultar as bases de participação em nosso site.
O emprendedurismo é também um tema a trabalhar muito importante para a Cátedra. Em conjunto com a Câmara de Indústrias de Costa Rica e a Incubadora Parquetec, estabelecemos o Consórcio GEM de Costa Rica, que nos permitiu realizar pela primeira vez um estudo sobre emprendedurismo utilizando o método proposto pelo Relatório Global sobre Emprededurismo (GEM). Como resultado desta investigação se publicou “O relatório nacional 2010: A situação do emprendedurismo na Costa Rica. Uma perspectiva local sobre empreendimentos, retos e crescimento“.
Por último, realizamos numerosas publicações sobre inovação e desenvolvimento produtivo nas que convidamos a participar investigadores, académicos, professores, gestores da Universidade de Costa Rica e de outras, e que permitem divulgar a nossa actividade. Recentemente publicamos o nosso primeiro livro, que titulámos “Conhecimento, Inovação e Desenvolvimento” e que foi Editado pelo Mestre Rafael Herrera e o Doutor José María Gutiérrez.

Q: Podem profissionais interessados na Cátedra propor actividades e projectos à mesma? Como se organizam para promover estás actividades?

R: Para o planeamento de atividades, desde a criação deste mecanismo, estabeleceu-se um Conselho Consultivo, onde participam os representantes de todas as instituições participantes da Cátedra, e é o encarregado de ditar as pautas, desenhar e desenvolver programas.
Estamos abertos à participação de instituições e profissionais interessados. Até o momento a maioria de actividades realizadas têm sido coordenadas entre diferentes unidades e instituições, e dependendo do tipo de actividade a realizar procuram-se os recursos necessários (humanos, financeiros, logísticos, etc.) para levá-lo à prática.

Q: Como nos comentava, o primeiro livro da Cátedra está disponível livre em Internet, em que medida introduzem as possibilidades das TIC nos seus projectos e relações com empresas e pesquisadores?

R: A publicação do livroConhecimento, Inovação e Desenvolvimento” e outros documentos podem-se consultar em aberto em nosso site. Isto é uma primeira aproximação, mas para ser sinceros, ainda não sacámos todo o proveito às facilidades que nos brindam as TIC e especialmente Internet.
Até ao momento introduzimos os questionários on-line no projecto de investigação sobre a indústria metalomecáncia, facilitando o contacto e reduzindo consideravelmente o custo de realizar este tipo de estudos. Através do site e do e-mail fazemos promoção das nossas actividades e resultados obtidos e promovemos publicações on-line para facilitar o trabalho nestas. Internet é também muito importante para os projectos de cooperação internacional, por exemplo as vídeoconferencias por skype são de grande utilidade.

Q: Se ainda nos fica muito potencial por aproveitar, segundo a sua experiência que oportunidades nos abrem as TIC e Internet para impulsionar a inovação e a cooperação entre Empresas e Universidades?:

R: As possibilidades são infinitas e muito motivadoras para seguir trabalhando. Por exemplo, nos nossos estudos, constatamos que os sectores produtivos têm pouca informação sobre a oferta científica e tecnológica da Universidade, e sobre os possíveis serviços para apoiar a inovação empresarial, num tema como este, o uso da Internet pode ser chave, não só para dar a conhecer a oferta universitária, senão também para conhecer as necessidades e demandas dos sectores produtivos.
As novas tecnologias são um médio extraordinário para que as empresas obtenham informação para a tomada de decisões. Assim mesmo potencian a comunicação e a aproximação entre ambos sectores do sistema nacional de inovação.

Q: Quais são os retos de futuro e próximos projectos para a Cátedra?

R: Como visão e projectos de futuro nos concentramos em continuar realizando investigação de base que sirva para a tomada de decisões, pensamos executar um estudo sobre inovação no sector plástico. Assim mesmo, em 2012 continuaremos com o estudo sobre emprendedurismo na Costa Rica, como parte o Consórcio GEM de Costa Rica.
Com respeito ao Prémio Ideias Inovadoras desde o nosso critério está chegando a uma etapa de maturidade e requer de certas reformas para tentar que as ideias que se propõem possam ter um verdadeiro impacto na sociedade e realmente se convertam em inovações.
Ademais, gostaríamos de executar um projecto para divulgar entre os sectores produtivos a oferta científica e tecnológica da Universidade, bem como ter um médio para conhecer as necessidades dos diferentes sectores. Consolidar os nossos acordos de cooperação com instituições como a Universidade de Alicante, aproveitando a sua experiência em temas de gestão para fomentar a inovação produtiva e o desenvolvimento sócio-económico, e promover a transferência de conhecimentos e tecnologia entre nossas Universidades e sector produtivo.
Também pretendemos continuar com a elaboração de publicações e a sua respectiva divulgação como médio, para incrementar a discussão e a cultura sobre a relevância que a inovação e a incorporação do conhecimento tem para desenvolvimento produtivo e a competitividade do país.

Mais informação: Cátedra de Inovação e Desenvolvimento Empresarial da Universidade de Costa Rica.

ovtt.post-categories.explore