Participe na convocação para unir-se à Rede Nacional de Espaços Sociais de Inovação, aberta até o próximo 23 de Abril de 2012. Com o propósito de fortalecer e ampliar esta rede, realiza-se a terceira convocação de Espaços Sociais de Inovação para a participação como membro e cujos resultados se apresentarão nas 2ª Jornadas Internacionais de Espaços Sociais de Inovação que se celebrará em Espanha, no ESdI MAINOVA (Los Santos de Maimona-Badajoz) no dia 24 de Maio de 2012.

Num quadro global de crise económica prolongada, faz-se imperativo a criação de iniciativas participativas para a inovação e criação de novos produtos e serviços TIC para fomentar a coesão social de cidadãos e territórios. Entre estas destacam os Espaços Sociais de Inovação (ESdI), eco-sistemas organizativos nos que as actividades de investigação e inovação estão dirigidas pelas necessidades e restrições dos actores que configuram as comunidades beneficiarias dos resultados. Desde 2010 estes espaços articulam-se na Rede Nacional de ESdI, que até ao dia 23 de Abril de 2012 abre a sua terceira convocação de Espaços Sociais de Inovação para fazer parte de esta comunidade de inovadores.

Falamos com Ignacio del Arco Herrera, membro e pesquisador do Grupo de trabalho ESdILAB, especializado em Espaços Sociais de Inovação e Living Labs de eVIA .

P: Como se definem estes Espaços Sociais de Inovação?

R: Os Espaços Sociais de Inovação (ESdI) são um tipo de organização estável para a inovação aberta liderada pelas pessoas. Num Espaço Social de Inovação é a própria população a que desenha as tecnologias que precisa de acordo com as suas próprias necessidades e baseando nos recursos ao seu alcance, e não numas necessidades impostas desde o exterior nem utilizando tecnologias ou recursos destinados a outras situações.

P: Que é a Rede Nacional de ESdI?

R: A Rede Nacional de ESdIs é um movimento colaborativo promovido por diferentes organizações e empresas que querem democratizar os processos de inovação fazendo protagonistas dos mesmos as comunidades beneficiarias dos resultados práticos destes processos, através de modelos colaborativos e de participação activa dos usuários desde as fases de desenho e investigação.

Durante estes últimos anos, a Plataforma eVIA vem apostando por esta iniciativa, prova disso é a existência e actividade do nosso grupo de trabalho em eVIA, centrado nos Espaços Sociais de Inovação e Living Labs: “ESdILAB”, e que foi o germe da actual Rede Espanhola de Espaços Sociais de Inovação e Living Labs.

P: Com que dimensão conta esta Rede Nacional de ESdI?

R: Actualmente estão reconhecidos na Rede Nacional de ESdIs 24 iniciativas que se consideram Espaços Sociais de Inovação depois de um processo de revisão de candidaturas por especialistas nas três convocações que se realizaram nos últimos anos. Dentro da Rede, todos os ESdIs se agrupam em três categorias temáticas, associadas no âmbito de actividade da Plataforma Tecnológica eVIA:

  • Coesão Territorial: agrupa a maior parte de ESdIs, com um total de 19.
  • Saúde e Vida Independente: 4 ESdIs.
  • Bem-estar e Coesão Social: com 1 ESdI.

P: Que tipo de iniciativas englobam estes Espaços Sociais de Inovação e Living Labs?

R: Muitos deles são iniciativas com uma longa trajetória e experiência em projetos e resultados de inovação, e encontram na Rede Nacional de ESdIs um novo quadro para as suas atividades, um foro onde aceder a outras experiências e exemplos práticos no uso criativo de recursos e habilidades específicas e em muitos casos locais, para gerar soluções inovadoras que utilizam tecnologia para gerar emprego, melhorar as condições de vida e de trabalho das pessoas e contribuir ao uso racional dos recursos naturais e do património.

Desde a Rede também se impulsiona o desenvolvimento de metodologias e ferramentas para aumentar o impacto e alcance dos resultados obtidos com estes modelos de inovação, e oferece um foro de intercâmbio de ideias e facilitador de sinergias como motor de novos projetos e inovações tecnológicas.

Com relação a exemplos concretos, é difícil destacar algum porque cada ESdI oferece uma perspetiva única e enriquecedora, com exemplos de inovações de interesse comunitário em processos, produtos, serviços e soluções. Algumas delas com um impacto sistémico, ao conseguir modificar o sistema sócio-económico do lugar onde se implantaram.

P: Conheçamos exemplos concretos por categorias, uma referência de ESdI em Bem-estar e Coesão Social:

R: Um reconhecido exemplo é Citilab. Esta “fábrica de inovação” de Cornellá, Barcelona, é uma referência de inovação social-digital na Europa. Tem evoluído desde a sua criação em 1997 para converter-se num centro que “explode e difunde o impacto digital do pensamento criativo, desenho e inovação que surgem da cultura digital

P: Uma referência de ESdI em Saúde e Vida Independente:

R: Dentro da categoria de Saúde e Vida Independente, encontram-se por exemplo a Fundação Prodis, comprometida com as pessoas com deficiência intelectual para o seu desenvolvimento pessoal e para a sua inclusão no mundo laboral. Parte da sua importante labor social inclui a participação activa em diferentes projetos de inovação para o desenvolvimento de soluções tecnológicas em formação, capacitação e ajudas técnicas no meio profissional.

Também nesta categoria se inclui a Fundação para a Investigação Biomédica do Hospital Gregorio Marañón, que junto com diferentes organizações e empresas desenvolvem soluções inovadoras nos serviços de saúde, qualidade assistencial proporcionada e o bem-estar e satisfação dos pacientes.

Completam a listagem nesta categoria as iniciativas de Lebrija (Sevilla) como “laboratório de inovação” que agrupa a Câmara Municipal, a sede local da UGT e mais de uma vintena de associações cidadãs, quase todas relacionadas com a saúde e a vida independente; e a Fundação Zaragoza Cidade do Conhecimento (na Expo de Zaragoza criou-se o conceito original de ESdI).

P: Uma referência de ESdI em Coesão Territorial:

R: Por último, na categoria de Coesão Territorial, quase todos os ESdIs reconhecidos são fruto da atividade de Associações ou Grupos para o Desenvolvimento Rural, com projetos e iniciativas desenvolvidas ao longo dos últimos anos que são exemplos práticos e muito gráficos dos resultados que se podem obter através de projetos de inovação que se abordam desde uma uma perspetiva participativa para partir de recursos e limitações do meio real e conseguir soluções verdadeiramente disruptivas.

Estes ESdIs encontram-se repartidos por todo o território nacional e entre as soluções que têm desenvolvido se incluem modelos de desenvolvimento sustentável sobre o património histórico e da cultura local, tecnologias de comunicação, localização e seguimento aplicadas à segurança na frota pesqueira, sistemas de iluminação municipal com auto-geração através de energias renováveis, sistemas de traçabilidade e controle da criança, produção e distribuição do queijo de cabra com denominação de origem reconhecida, sistemas de seguimento on-line de correntes e ventos para a navegação aérea sem motor, projetos de robótica para a assistência de maiores, sistemas de geo-localização para pacientes com demência ou patologias como o Alzheimer, e um longo etc… de exemplos que refletem a verdadeira essência da inovação: a utilidade prática obtida depois da posta em valor do conhecimento e das tecnologias disponíveis.

P: São muitas as ideias comentadas sobre o benefício de apostar por Espaços Sociais de Inovação somo estratégias de inovação e divulgação científica de proximidade, que vantagens adicionais destacarias?

R: As principais vantagens para fazer parte desta rede consistem em estabelecer uma organização forte para o intercâmbio de experiências e lições aprendidas na implementação dos princípios de inovação aberta dirigida por utentes, fomentar o intercâmbio de ideias de projetos e constituição de consórcios fortes para preparar propostas ganhadoras nas convocações de projetos de I&D tanto nacionais como internacionais e melhorar a capacidade de representação dos sócios da rede nas organizações europeias que coordenam as linhas de trabalho relacionadas com Living Labs e Espaços Sociais de Inovação.

A reunião anual de 2011 converteu-se na 1ª Conferência Internacional de Espaços Sociais de Inovação celebrada em Roma e sob o auspicio da FAO permitiu-nos abrir importantes sinergias e oportunidades no uso destes de modelos de inovação como referência para o desenvolvimento sustentável e a inclusão social. Neste ano a convocação de reconhecimento de novos ESdIs abre as fronteiras para o reconhecimento de outras iniciativas internacionais e daí a importância de participar nesta convocação.

P: Como podem participar os interessados?

R: É muito simples, para constituir-se como Espaço de Inovação Social ESdI devem remeter este formulário devidamente complementado e assinado a Lorena Burg e Javier García Guzmán.

A documentação para participar na convocação é:

Versão Espanhol:

Versão Inglês:

Mais informação: eVIA

ovtt.post-categories.explore