Cada vez se produzem mais mudanças no nosso meio que afectam tanto às empresas como às instituições, e estas mudanças constituem sempre uma fonte de oportunidades. O grupo de investigação INNOPRO da Universidade Politécnica de Madrid (UPM), trabalha por impulsionar e apoiar a Gestão da Inovação, desde a perspectiva da investigação, o desenvolvimento de metodologías e ferramentas que permitam melhorar a competitividade e a eficiência das nossas organizações.

Entrevistamos o Doutor Antonio Hidalgo, Catedrático de Organização de Empresas e Doutor em Engenharia Industrial, que dirige o grupo de investigação INNOPRO para conhecer em profundidade a investigação de excelencia que desenvolvem e os seus esforços em promover a inovação nas organizações.

P: Doutor Hidalgo, conte-nos como foram as origens deste grupo de investigação?

R: INNOPRO inicia a sua trajectória no ano 2006 como Grupo de Investigação reconhecido pela Universidade Politécnica de Madrid (UPM). Um facto que se produz como consequência do objectivo estratégico que esta instituição académica se propõe com a missão de conseguir uma investigação de maior qualidade.

Neste sentido, INNOPRO reúne a pesquisadores das Escolas Técnicas Superiores de Engenheiros Industriais, Engenheiros Aeronáuticos e Engenheiros de Telecomunicação, num projecto comum que se centra em seis linhas de investigação, para abordar o nosso objectivo central: o desenvolvimento de investigação orientada à empresa e a administração pública no âmbito da gestão da inovação.

P: Como considera que têm de apostar as empresas pela inovação nestes tempos?

R: Para sobreviver num ambiente cada vez mais cambiante, as empresas devem adaptar e renovar os produtos e serviços que oferecem ao mercado, e ajustar e modificar as formas em que os produzem e entregam aos consumidores. A gestão dessa mudança é ao que nos referimos com a Gestão da Inovação, um campo de conhecimento muito útil e necessário na prática e que facilita às empresas melhorar a sua posição no mercado e ser competitivas.

Neste sentido, desde INNOPRO tratamos de apoiar os processos de inovação desde uma perspectiva tripla: facilitadora, portadora e fonte de inovação.

P: Que linhas de investigação orientam a produção científica do grupo?

R: Na actualidade as linhas de investigação desenvolvidas por INNOPRO são sete:

P: Em que consistem cada uma delas e que tipo de projectos de investigação desenvolvem?

R: A linha de investigação de Inovação de INNOPRO está centrada na análise, caracterização e melhora de processos de inovação através da implementação de novas tecnologias, e no desenho de metodologías e técnicas de gestão que ajudam as organizações a implementar sistemas avançados que ajudam a fazer frente às mudanças que se produzem no seu meio. Este tipo de projectos de investigação desenvolvem-se a nível nacional e internacional com o apoio de organismos como a Comissão Européia, a AECID, o Plano Nacional de I+D+i, entre outros.

A investigação que se centra no âmbito da Propriedade Industrial abarca aspectos relacionados com as estratégias de propriedade industrial, os análises qualitativos de patentes como mecanismo de inovação empresarial, a gestão dos direitos de propriedade industrial associados à actividade de inovação tecnológica e os modelos de previsão em matéria de patentes. Esta linha de investigação desenvolve-se em estreita coordenação com o Instituto Espanhol de Patentes e Marcas (OEPM).

A linha de Política Tecnológica enfoca-se ao sector público regional e nacional, dirigindo os seus esforços ao desenho e avaliação de políticas públicas no âmbito da investigação, o desenvolvimento tecnológico e a inovação. Exemplos neste âmbito podem ser a participação no desenho do programa PROFIT, a elaboração do Plano Canario de I+D+i e a colaboração no estudo das Políticas de Fomento de I+D+i na área das Tecnologias da Sociedade da Informação, com a finalidade de realizar uma análise detalhada das diferentes políticas, programas e instrumentos utilizados em Espanha e nas diferentes Comunidades Autónomas e propor acções de melhora.

Na linha Prospectiva e Previsão Tecnológica realizam-se análises prospectivos de apoio à estratégia empresarial, bem como análise de tendências tecnológicas, económicas e sociais, construção de palcos alternativos, desenho de planos de actuação e estudos de previsão de convergencia tecnológica.

Na linha Sistemas e Tecnologias da Informação de suporte à gestão empresarial levam-se a cabo análises do impacto dos sistemas de informação na estratégia, a estrutura e a cultura empresarial, e estudam-se as novas tendências nas tecnologias da informação de suporte à gestão empresarial. Neste âmbito presta-se especial atenção à criação de modelos de adopção tecnológica aplicados ao comércio electrónico.

Dentro da linha Inovação educativa e e-learning realizam-se projectos de investigação relacionados com o uso de plataformas de teleformação (LMS) em processos docentes, o estudo de metodologías docentes em diferentes modalidades de ensino (presencial, b-learning, e-learning) baseadas na simulação empresarial e o impacto dos simuladores na eficácia da formação.

No site do grupo: http://www.innopro.upm.es, todo aquele que esteja interessado pode aceder a informação mais detalhada sobre o grupo e a sua produção científica, além de entrar em contacto conosco.

P: Vocês contam com uma ampla experiência de cooperação científica e tecnológica com países da América Latina, como se instrumentalizão estas relações?

R: Sim, um bom número de projectos desenvolvidos por INNOPRO estão relacionados com países da América Latina e têm-se instrumentado mediante convênios bilaterais e com o apoio financeiro de entidades como a Agência Espanhola de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento (AECID), o Centro para o Desenvolvimento Tecnológico Industrial (CDTI), o Instituto Espanhol de Patentes e Marcas (OEPM) e a Comissão Européia.

Uma mostra dos principais projectos realizados e vinculados com países da América Latina pode ser a seguinte:

      • European Union – Latin America Research and Innovation Networks (EULARINET), promovido pela Comissão Européia no período de quatro anos, desde 2008 a 2011.
      • Análise do meio tecnológico industrial como suporte à exportação em Costa Rica, promovido em colaboração com a Universidade da Costa Rica e financiado através da Agência Espanhola de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento (AECID) em 2009.
      • Diseño de nuevas líneas de financiamento, medidas instrumentais e outros incentivos de impulsamento à Iniciativa Ibero-Americana de Cooperação Tecnológica IBEROEKA e financiado pelo Centro para o Desenvolvimento Tecnológico Industrial (CDTI) em 2008.
      • Avaliação da Iniciativa Capacitação Ibero-Americana em Informação Tecnológica (CIBIT), promovido pela Secretaria Geral Ibero-Americana (SEGIB) em 2007.
      • Avaliação dos dez anos de vida do Programa IBEROEKA (1991-2000), a cargo do Ministério de Ciência e Tecnologia (PROFIT) (2001-2002).

Também temos numerosas publicações relacionados com Ibero-América e disponíveis on-line, por exemplo:

P: A estratégia de INNOPRO complementa-se com uma interessante oferta formativa, pode comentar-nos suas principais características?

R: Sim, nós pensamos que a investigação no meio universitário deve estar sempre unida à formação de qualidade, por isso desde INNOPRO coordenamos dois programas específicos relacionados com a nossa temática, que são:

      • Mestrado Oficial em Economia e Gestão da Inovação (MEGIN).
      • Doutoramento em Economia e Gestão da Inovação (DEGIN).

Estes oferecem-se de acordo com o convénio de Bolonha, e estão desenvolvidos conjuntamente pelas Universidades Politécnica, Autónoma e Complutense de Madrid. Têm um objectivo principal muito claro: contribuir ao desenvolvimento da investigação e da aplicação prática nas empresas e organismos públicos em temas relacionados com a inovação tecnológica desde uma perspectiva económica e empresarial.

Além disso, estes programas contam com um grande reconhecimento enquanto à sua qualidade. Em 2006 os nossos programas conseguiram a Menção de Qualidade pelo então Ministério de Educação e Ciência. Recentemente, e de acordo com o novo regulamento, o Ministério de Educação concedeu-nos a Menção para a Excelencia ao Programa de Doutoramento DEGIN (Resolução de 6 de Outubro de 2011).

Dentro deste âmbito de formação-investigação, o Prof. Antonio Hidalgo é membro do Comité Científico do programa de doutoramento europeu EDIM (European Doctorate in Industrial Management), que é um doutoramento conjunto ERASMUS MUNDUS financiado pela Comissão Européia no período 2011-2018. Neste doutoramento participam as seguintes universidades: Kungliga Tekniska Högskolan (KTH) de Estocolmo (Suécia), Politecnico dei Milano (POLIMI), Milão (Itália) e a Universidade Politécnica de Madrid (UPM). Mais informação sobre este programa pode-se obter no site: www.kth.se/edim

P: Em todas as suas actuações a cooperação é um valor transversal, que importância tem no desenvolvimento do grupo de investigação?

R: A cooperação tem sido sempre a base do trabalho de INNOPRO, tanto para os nossos projectos de investigação como para as nossas acções formativas. Temos muito claro que sem cooperar não é possível aceder a uma massa crítica de investigadores e colaboradores que permitam fazer frente ao

desenvolvimento de projectos de investigação multidiciplinares .

Esta cooperação, tanto a nível de investigação como da formação de postgrado, se entende através de três eixos complementares:

      • Cooperação entre pesquisadores da mesma universidade mas de diferentes Escolas de Engenharia (Industriais, Telecomunicação e Aeronáutica).
      • Cooperação com pesquisadores de outras universidades espanholas (Universidade Politécnica de Valencia, Universidade Autónoma de Madrid, Universidade Complutense de Madrid, Universidade de Vigo, etc.) e empresas consultoras com afinidades nas temáticas de inovação.
      • Cooperação com pesquisadores de universidades de terceiros países (Universidade de Costa Rica, Universidade de Manchester, Universidade Técnica de Lisboa, etc.), o que permite um maior alcance dos projectos a desenvolver.

Neste último âmbito merece destacar a estreita colaboração que mantemos com a Cátedra de Inovação e Desenvolvimento Empresarial da Universidade de Costa Rica. Sem dúvida, este é um dos principais activos de INNOPRO e ao que lhe dedicamos especial atenção.

Mais informação: INNOPRO

ovtt.post-categories.explore